A banda liberou ontem um curta metragem com a trilha sonora do seu novo ÁLBUM, e é de se emocionar.

Quem conhece o The National sabe que a banda tem a característica de produzir músicas melancólicas sobre as dificuldades que a vida nos trás, o que particularmente me atraí muito, pois traduzir a dor em palavras não é algo fácil. Mas o grupo foi além em seu novo álbum, fazendo um pré-lançamento em formato de filme.

Sabemos a importância de um vídeo clipe para a interpretação de uma música, pois é mais uma ferramenta para se comunicar com o público, tornando o intangível, tangível. A tendência de álbuns visuais vem tornando isso ainda mais intenso, com obras inteiras que se relacionam com um único tema em sua composição.

I Am Easy To Find conseguiu ir além. O filme estrelado por Alicia Vikander retrata uma vida em 26 minutos, do nascimento a morte. É interessante como uma única atriz foi capaz de retratar todos esses momentos com pouquíssimas mudanças de caracterização. Mas mais interessante ainda é a maneira como isso é retratado.

O filme mostra acontecimentos comuns na vida de qualquer ser humano, e mostra também sentimentos e impressões comuns nesses momentos. As conquistas, as perdas, os relacionamentos, as decepções…

Assistimos a vida como ela é, sem romantizações, cheia de imperfeições, de dúvidas, de medos, de falhas, de altos e baixos, de momentos felizes, e então momentos tristes, e então momentos felizes. Assistimos à ciclo, à insatisfações, a sentimentos que vem e voltam. Tudo isso de uma maneira natural, que lembra como todos passamos e iremos passar por esses momentos.

Com o decorrer dos minutos, tudo começa a fazer sentido e somos capazes de nos identificar na personagem. A representação da vida tão crua é algo que chega a emocionar. Lembra que ao todo, somos iguais, e trilhamos os mesmos caminhos. Todos vivemos uma vida ordinariamente linda.

Quando o filme acaba, e os créditos começam a rolar ao som da já lançada Light Years, a mensagem fica fácil de ser entendida. I Am Easy To Find, “Eu Sou Fácil de Encontrar”, porque a personagem sou eu, é você, são eles, somos nós. Existe uma mundana humanidade em todos nós, e é isso que nos torna humanos. Esse ponto de vista torna a vida, e as pessoas em si, compreensíveis. Todo mundo está trilhando o mesmo caminho. Somos imperfeitos, cheios de cicatrizes, mas cheios de esperança também. É a glória de tudo isso.

Só assistindo para entender.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s