O ano está quase acabando, o que significa que chegou a hora de uma retrospectiva musical.

Todo mês de dezembro o Spotify libera o WRAPPED, uma retrospectiva com análises muito divertidas de tudo o que nós, usuários, mais ouvimos durante o ano – e dessa vez, durante a década também!

Sempre fico empolgada pelas minhas informações, porque lembrar as músicas que mais ouvi também me faz lembrar dos momentos que fizeram elas tão importantes. Afinal, a gente não ouve a mesma música no repeat à toa.

Vamos ao meu TOP 5:

5 – Nico and the Niners (Twenty One Pilots)

Ouvi Nico and the Niners com atenção pela primeira vez no Lollapalooza, no show do Twenty One Pilots, e foi paixão instantânea. Desde então, não consigo nem contar quantas vezes cantei ela enquanto meu melhor amigo tocava violão (até pensamos em fazer um cover de TØP , juro). A música é uma delícia de cantar, e me lembro perfeitamente de tentar decorar o rap do final enquanto tomava banho durante a minha viagem para Buenos Aires, baita cena.

4 – The Drug In Me Is You (Falling In Reverse)

Cheguei muitos anos atrasada com essa música, mas Falling In Reverse foi a minha descoberta mais viciante do ano – minha nova banda favorita de ouvir enquanto corro. Sou suspeita for ser uma grande fã de hardcore, mas as músicas antigas do Falling são cheias de referências pop punk, o que conquista fácil até os ouvidos pouco roqueiros. Vale a pena assistir aos clipes em ordem cronológica, foi o que me cativou.

3 – in the dark (Bring Me The Horizon)

Devo admitir aqui que a cada dia que passa o Bring Me The Horizon vem se tornando mais e mais a minha banda favorita (desculpa, Avenged). Essa música faz parte do álbum AMO, lançado esse ano, e que apesar de ter sido muito controverso, é uma verdadeira obra de arte para quem aprecia música de verdade. A banda evoluiu muito musicalmente e emocionalmente (essa análise merece uma atenção em um outro dia), e AMO é o resultado disso. O álbum tem sim muito pop e muitos elementos sintéticos, mas é esse teor experimental que trouxe todo o brilhantismo do negócio. Sobre in the dark, só posso dizer uma coisa: JESUS CHRIST YOU’RE SO DAMN COLD.

Não posso deixar de mencionar que, esse ano, assisti duas vezes ao show do BMTH do lado de algumas das minhas pessoas favoritas do mundo. Apenas ótimas memórias.

2 – Today I Saw The Whole World (Pierce The Veil)

Eu conheci essa música no final do ano, e ela ocupa o segundo lugar na minha lista. Não conheço muitas obras da banda, mas a versão acústica de Today I Saw The Whole World me conquistou. Amo a intimidade que o acústico causa, e faz ela ser, pra mim, aquele tipo de música que apenas se conecta com a gente.

Infelizmente, essa música marcou alguns momentos um pouco negativos do meu ano, o que dá aquele nózinho no estômago, sabe? Mas, acho que parte da magia dela na minha vida está aí, nesse sentir.

1 – Love It If We Made It (The 1975)

Achei justíssimo ter esse manifesto do topo da minha lista. A banda The 1975 vem produzindo tantas coisas ousadas e se posicionando tão firmemente perante causas que precisam de atenção, que ouso dizer que é “assim que se faz música”. Love It If We Made fala sobre várias coisas que estão erradas no mundo, mas em um tom um tanto quanto otimista. Um dos melhores shows do meu 2019, por uma das melhores bandas atuais, posso dizer com convicção.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s